O que você está buscando?

Encerramento do atendimento do Seguro DPVAT

Encerramento do atendimento do Seguro DPVAT

Notícias

Indenizações crescem 30% em MT

Entrevista com Diretor Tesoureiro

Em entrevista ao Jornal A Gazeta, o Diretor Tesoureiro do Sincor MT, Edson Trombine, afirmou que o aumento das contratações de seguro rural é motivado pelo crescimento da produção agropecuária estadual, pela melhoria dos produtos ofertados pelas seguradoras e, ainda, pelo risco da atividade devido às condições climáticas.

 

Indenizações crescem 30% em MT

Indenizações de seguro agrícola e pecuário aumentaram 30,5% em Mato Grosso este ano. Foi transferida pelas seguradoras aos produtores e pecuaristas locais a quantia total de R$ 205,204 milhões nos primeiros 8 meses, ante R$ 157,141 milhões no mesmo período de 2018. Os números são do Sindicato das Seguradoras (Sindseg) e indicam crescimento nas contratações desse tipo de seguro. De janeiro a agosto, o segmento agropecuário estadual pagou R$ 229,649 milhões às seguradoras, 12,5% a mais que em 2018 (R$ 204,154 milhões).

Devido à expansão da produção de grãos, fibras e carnes, o seguro rural/animais ocupa a 2ª posição em pagamentos de prêmios e contribuições em Mato Grosso, com participação de 23% no mercado estadual de seguros. É superado apenas pelo ramo de seguro de automóvel, que recolheu R$ 376,443 milhões este ano em todo o Estado. Em volume de indenizações, as seguradoras de veículos lideraram o desembolso em Mato Grosso, com R$ 250,262 milhões no acumulado dos 8 meses de 2019.

Para o diretor-tesoureiro do Sincor em Mato Grosso, Edson Trombine, o aumento das contratações de seguro rural é motivado pelo crescimento da produção agropecuária estadual, pela melhoria dos produtos ofertados pelas seguradoras e, ainda, pelo risco da atividade devido às condições climáticas. Como 2019 foi marcado pelo aumento dos focos de incêndios e queimadas em Mato Grosso, a tendência é que os produtores rurais busquem resguardar mais as propriedades.

Em relação ao aumento dos resgates pagos pelas seguradoras aos produtores, Trombine avalia que não tem relação com as ocorrências de incêndios durante a estiagem. “Teríamos que aprofundar a análise para entender se foi por perdas pontuais em algumas regiões. Fato é que as queimadas ocorreram durante a entressafra da soja, principal cultura do Estado”. Nos meses de agosto e setembro, fazendas produtoras de algodão, milho e soja foram atingidas pelo fogo. Propriedades localizadas em Primavera do Leste, Tapurah e Itanhangá registraram perdas financeiras.

Apesar de os produtores mato-grossenses enfrentarem menos problemas com as intempéries climáticas que no Sul do país, a disseminação dos incêndios este ano deixou o setor alarmado, afirma a analista de agricultura da Federação da Agricultura e Pecuária (Famato), Karine Gomes Machado. “Os produtores acabam se preocupando mais com a situação das lavouras e buscam proteger as áreas de cultivo para amenizar prejuízos, por mais que a cobertura do seguro não seja 100%”. É comum os sojicultores mato-grossenses contratarem o seguro faturamento, que assegura a renda do produtor em relação à queda de produtividade e de renda. Para Karine, o aumento das contratações de seguro rural está atrelado à demanda por financiamento da atividade agropecuária. “Para algumas operações de crédito, um dos mitigadores de risco é o seguro”, observa.

Fonte: Jornal A Gazeta

Contato

Rua Presidente Café Filho, 306, Quilombo, Cuiabá-MT, 78043-534
65 3642-1747
99934-6208

Webflavia